Sl 80,2-20

 

Splica do rei na calamidade nacional

 

laer"f.yI h[ero

2a Pastor de Israel,

@sE+Ay !aCoK; ghenO hn"yzIa]h;

2b ouve (tu), aquele que guia, como um rebanho, Jos,

`h['ypi(Ah ~ybiWrK.h; bveyO

2c aquele que monta os querubins, resplandece (tu).

^t<+r"Wb)G>-ta, hr"r>A[ hV,n:m.W !mIy"n>biW ~yIr:p.a, ynEp.li

3a Adiante de Efraim e de Benjamin e de Manasses desperta a tua fora,

`WnL'( ht'['vuyli hk'l.W

3b e caminha para a salvao de ns.

 

~yhil{a/

4a lhm,

Wnbe_yvih]

4b restaura-nos,

^yn<P' raEh'w>

4c e faz brilhar as tuas faces,

`h['ve(W"nIw>

4d e salvos seremos.

 

tAa+b'c. ~yhil{a/ hw"hy>

5a Yahweh lhm cbt,

`^M<)[; tL;pit.Bi T'n>v;[' yt;m'-d[;

5b at quando estars irado contra as oraes do teu povo?

h['_m.DI ~x,l, ~T'l.k;a/h,

6a (Tu) os fazes comer po de lgrima,

`vyli(v' tA[m'd>Bi Amqev.T;w:

6b e os fazes beber de lgrimas desmedidas.

WnynE+kev.li !Adm' WnmeyfiT. 

7a (Tu) nos tornaste disputa para nossos vizinhos,

`Aml'(-Wg[]l.yI Wnybey>aow>

7b e nossos inimigos caoam de ns.

 

tAab'c. ~yhil{a/

8a lhm cbt,

Wnbe_yvih]

8b restaura-nos,

^yn<P' raEh'w>

8c e faz brilhar as tuas faces,

`h['ve(W"nIw>

8d e salvos seremos.

 

[:ySi_T; ~yIr:c.Mimi !p,G<

9a Uma vinha do Egito (tu) arrancaste,

~yIAG vrEg"T.

9b expulsaste populaes,

`h'[,(J'Tiw:

9c e a plantaste.

h'yn<+p'l. t'yNIPi

10a Limpaste o terreno para ela,

h'yv,r"v' vrEv.T;w:

10b e enraizaste a raiz dela.

`#r<a'(-aLem;T.w:

10c Ento encheu (ela) a terra.

HL'_ci ~yrIh' WSK'

11a Cobriram-se as montanhas com a sombra dela,

`lae(-yzEr>a:) h'yp,n"[]w:

11b e os pmpanos dela eram carvalhos altssimos.

~y"+-d[; h'r<yciq. xL;v;T.

12a (Ela) estendeu as ramagens dela at o Mar, 

`h'yt,(Aqn>Ay* rh'n"-la,w>

12b e at o Rio, as vergnteas dela.

h'yr<_dEg> T'c.r:P' hM'l'

13a Por que (tu) quebraste as cercas dela,

`%r<d"( yrEb.[o-lK' h'Wra'w>

13b e a vindimam todos os passantes do caminho,

r[;Y"+mi ryzIx] hN")m<s.r>k;y>

14a devora-a o javali da floresta,

`hN"[<)r>yI yd:f' zyzIw>

14b e bicho de campo a pasteja?

 

tAab'c. ~yhil{a/ 

15a lhm cbt,

an"-bWv)

15b volta-te, por favor,

~yIm:V'mi jBeh;

15c olha desde os cus,

hae_r>W

15d e v,

`tazO* !p,G< dqop.W

15e e visita esta vinha,

^n<+ymiy> h['j.n"-rv,a] hN"k;w>

16a e a cepa que plantou a destra tua,

`%L") hT'c.M;ai !Be-l[;w>

16b e o filho que firmaste (tu) para ti.

vaeb' hp'rUf.

17a (Ela) foi queimada pelo fogo,

hx'_WsK.

17b (ela) foi cortada.

`Wdbe(ayO ^yn<P' tr:[]G:mi

17c Que pela repreenso das tuas faces possam eles perecer!

^n<+ymiy> vyai-l[; ^d>y"-yhiT.(

18a Esteja a tua mo sobre o homem da tua destra,

`%L") T'c.M;ai ~d"a'-!B,-l[;

18b sobre o filho de homem que confirmaste para ti,

&'M<+mi gAsn"-al{w>

19a e no nos apartaremos de ti.

WnYEx;T.

19b Preserva-nos vivos,

`ar"(q.nI ^m.vib.W

19c e o nome teu invocaremos.

 

tAab'c. ~yhil{a/ hw"hy>

20a Yahweh lhm cbt, 

Wnbe_yvih]

20b restaura-nos.

^yn<P' raEh'

20c Faz brilhar as tuas faces,

`h['ve(W"nIw>

20d e salvos seremos.

 

Comentrio

 

O que me trouxe a esse salmo foi a presena da palavra hebraica dm (cf. v. 18b). Eu estou investigando o uso que a Bblia Hebraica testemunha dessa palavra no sentido de rei. O que pretendo, em ltima anlise, , em minha Tese de Doutorado (PUC-Rio), trabalhar com a afirmao de que a palavra dm, em Gn 1,26, no contexto da narrativa sacerdotal da criao (Gn 1,1-2,4a), refira-se exatamente ao rei de Jerusalm.

 

No que diz respeito ao Sl 80, h elementos suficientes para considerar que as expresses ymnek (o homem da tua destra) e Ben-dm immacT llk (o filho de homem que confirmaste para ti) sejam referncias potico-ideolgicas figura do rei. No possvel, contudo, precisar quem seja, nem mesmo se ele reina em Israel (Reino do Norte), em Jud (Reino do Sul), ou em algum outro contexto possvel. Todas essas alternativas so viveis.

 

O salmo est estruturado atravs de um estribilho que, contudo, sofre ligeira, mas significativa, alterao, medida que avana salmo adentro. A primeira vez que o estribilho aparece, a divindade invocada pelo recurso a um simples lhm (v. 4a). Na segunda vez que o estribilho aparece, o vocativo ampliado para lhm cbt (v. 8a). Na terceira vez, ampliado at a frmula vocativa Yahweh lhm cbt (v. 20a). Talvez esse processo incremento dos termos empregados no vocativo aponte para um respectivo aumento tanto do sentimento de tragdia do salmista, quanto da sua confiana de que a divindade pode, afinal, intervir.

 

Observa-se, ainda, uma pausa intencional na leitura pblica pressuposta, porque no v. 20c falta o vav, isto , a conjuno e, presente em 4c e 8c. O ritmo de leitura dos estribilhos I e II no sofre a pausa que, no estribilho III, indica o trmino da leitura.

 

O resultado o seguinte.

I

~yhil{a/

4a lhm,

Wnbe_yvih]

4b restaura-nos,

^yn<P' raEh'w>

4c e faz brilhar as tuas faces,

`h['ve(W"nIw>

4d e salvos seremos.

 

II

tAab'c. ~yhil{a/

8a lhm cbt,

Wnbe_yvih]

8b restaura-nos,

^yn<P' raEh'w>

8c e faz brilhar as tuas faces,

`h['ve(W"nIw>

8d e salvos seremos.

 

III

tAab'c. ~yhil{a/ hw"hy>

20a Yahweh lhm cbt, 

Wnbe_yvih]

20b restaura-nos.

^yn<P' raEh'

20c Faz brilhar as tuas faces,

`h['ve(W"nIw>

20d e salvos seremos.

 

As verses traduzem 4b, 8b e 20b como faze-nos voltar. No percebi, contudo, nenhuma referncia a alguma possvel, e at historicamente provvel, deportao. Tudo leva a crer que o rei esteja na cidade, uma vez que o salmo pede que a divindade visite esta vinha. Se, referindo-se cidade, onde reina, o rei pode falar de esta vinha, razovel inferir-se que ele esteja na cidade.

 

A cidade, contudo, sofreu ataques. Ela est queimada (v. 17a). Pode at ter sofrido invases, uma vez que se fala de animais da floresta e do campo fuando a vinha, porque a sua cerca foi quebrada (v. 13a-14b).

 

O rei sabe que foi Yahweh quem arrancou a vinha do Egito, a plantou, cuidou dela, at que ela crescesse para todos os lados. O que o deixa perplexo por que Yahweh quebrou as cercas dela (v. 13a). Isso s pode significar que ele esteja irado com seu povo, a ponto de no ouvir suas oraes, no se comover se suas lgrimas (v. 5a-6b). O rei sabe, contudo, que Yahweh o verdadeiro pastor de Israel (v. 2a), ttulo que apenas indiretamente cabe ao prprio rei. Depois de ter virado o rosto, Yahweh pode, se queira, voltar-se, novamente, olhar, e ver, e visitar a vinha (v. 15).

 

O prprio rei pede por sua vida, mas tambm pela do povo (v. 18a-19c). Caso Yahweh intervenha em favor deles, Yahweh tem a garantia do rei, ele e o povo no mais se apartaro dele.

 

Talvez o povo esteja esperando que, montado em seu cavalo, e, frente do seu exrcito, o rei cumpra seu papel de pastor do povo, e o proteja. Talvez o rei v mesmo fazer isso. Mas ele se lembra de, antes, pedir a Yahweh que ele mesmo v adiante deles, e marche para a salvao do povo (v. 3). Talvez o rei esteja pronto para enfrentar os inimigos. Ele sabe os riscos que corre. Sabe que pode perder a batalha. Pode perder a prpria guerra.

 

Na incerteza da vida, ele recorre s garantias que, de um lado, a f pessoal permite, e, de outro, o protocolo do poder impe: testa, vai Yahweh, confirmando o homem da sua destra, dando foras ao filho de homem que a divindade confirmou.

   

Osvaldo Luiz Ribeiro

03/12/2006